segunda-feira, março 28, 2011

sábado, março 26, 2011

TEATRO TEATRO TEATRO

27 de Março: Dia Mundial do Teatro
Mensagem de 2011 por Jessica A. Kaahwa, Uganda


O TEATRO AO SERVIÇO DA HUMANIDADE

A presente situação do mundo reflecte verdadeiramente o imenso potencial do teatro na mobilização das comunidades e na ajuda à tomada de decisões.

Já alguma vez imaginaram que o teatro pode funcionar como uma ferramenta poderosa para a paz e reconciliação dos povos?

Enquanto as nações gastam somas colossais com missões para a manutenção da paz nas zonas de conflito do mundo, pouca atenção é dispensada ao Teatro como alternativa viável à gestão de conflitos.

Como poderão os habitantes do mundo estabelecer a paz universal, quando os meios utilizados são oriundos de poderes cada vez mais repressivos?

O Teatro impregna subtilmente o espírito humano, cheio de medo e suspeição, mudando a imagem de si mesmo, permitindo alternativas ao indivíduo e à comunidade. O Teatro pode dar sentido às realidades quotidianas, antecipando um futuro incerto.

O Teatro inclui-se nas políticas sociais de forma simples e directa. Assim sendo, o Teatro pode mostrar ser uma experiência que permite ultrapassar ideias pré-concebidas.

Por outro lado, o teatro é um meio de verificação de propostas colectivas que vale a pena defender.

De forma a antecipar a paz futura, devemos começar por utilizar meios pacíficos que permitem a compreensão, o respeito e o reconhecimento do valor das contribuições de cada ser humano na procura da paz. O Teatro é uma linguagem universal que nos permite transmitir mensagens de paz e reconciliação.

Permitindo a cada participante envolver-se activamente, o Teatro traz uma nova visão que incita à desconstrução das percepções individualistas, dando, a cada um, a possibilidade de colocar de lado o passado e de fazer novas escolhas, baseadas num saber renovado e realista.

Para que o Teatro se desenvolva permitindo outras formas artísticas, devemos dar um passo em frente, integrando-o na vida quotidiana, não esquecendo as questões críticas de conflito e de paz.

Tendo em conta as temáticas da transformação social e da remodelação nas comunidades, o Teatro já intervém nas zonas devastadas pelas guerras onde as populações sofrem de pobreza crónica ou de doenças. Existe um número crescente de histórias de sucesso, nas quais o teatro mobilizou a opinião pública, ajudou à tomada de consciência para o apoio às vítimas de guerra. As plataformas culturais como o “Instituto Internacional do Teatro” visam a consolidação da paz e da amizade entre os povos. Mas, tudo isto pode parecer desolador numa época onde, apesar da consciência que temos do poder do teatro, permitimos que armas de fogo e bombas sejam as guardiãs da paz no mundo. Poderão as ferramentas de isolamento e alienação dos povos servir de instrumentos de paz e reconciliação?

No dia da celebração do Dia Mundial do Teatro, aconselho-vos vivamente a reflectir nesta perspectiva e, a partir de hoje, a considerarem o Teatro como um instrumento de diálogo, de transformação e reforma social.

Ainda que as Nações Unidas gastem somas colossais com missões de paz no mundo, o Teatro aparece como uma alternativa espontânea, humana, menos dispendiosa e bem mais poderosa.

Se esta não é seguramente a única resposta para o estabelecimento de uma paz global e duradoura, o Teatro deverá, pelo menos, ser considerado uma ferramenta eficaz de manutenção da paz.

VIVA O TEATRO!




Tradução Margarida Saraiva
Escola Superior de Teatro e Cinema, 2011

http://www.estc.ipl.pt/teatro/arquivo/noticias/2010_11/dia_mundial_teatro.html

segunda-feira, março 14, 2011

Simplificar a Vida: alguns instrumentos

PERMACULTURA

permacultura.blog.pt



Princípios Éticos:

1. Cuidados com o planeta

2. Cuidados com as pessoas

3. Compartilhar excedentes (incluindo conhecimentos)

4. Limites ao consumo

Quanto mais se aproxima da natureza, menos se trabalha.

Quando criamos sistemas auto-sustentados, não precisamos trabalhar para alimentar e proteger os elementos do sistema. Uma floresta produtiva, uma vez estabelecida, exige muito pouco cuidado para se manter, Comparados com as monoculturas, sistemas altamente artificiais que nunca ocorrerão na natureza, sistemas permaculturais que se aproximam da natureza não precisam de adubo, irrigação nem defensivos. Produzem séculos a fio e melhoram cada vez mais o solo, recuperando também o regime das águas da região.

Podemos incorporar animais nestes sistemas se criarmos condições de vida parecidas com aquelas do habitat natural do animal. Tomando o exemplo da galinha, percebemos que é a natureza da galinha de pastar e de ciscar, de comer uma grande variedade de verduras, grãos (pode ser sementes de capins) e insectos. Elas vivem em bandos e sempre dormem no mesmo lugar, no alto. São relativamente resistentes ao frio, mas temem o calor, exigindo sombra. Sofrem predações de gaviões e raposas, precisando de uma boa protecção.

Analisando estas necessidades do animal, podemos muito bem criar uma floresta forrageira para galinhas, incorporando árvores frutíferas (amora, goiaba, acerola, etc.), com verduras rasteiras e grãos (milhetos, capins, etc.), criando um pasto equilibrado onde a galinha se alimenta e se protege. O único trabalho que sobra para o homem nestas condições é de colectar os ovos e vigiar o estado do pasto e dos animais. Uma vez estabelecido, este sistema dura muitos anos com o mínimo de investimento, dando lucro maior do que as granjas industrializadas que exigem altos investimentos em insumos e medicamentos. E, obviamente, a qualidade dos produtos será muito maior.

Substituir altos investimentos e trabalho por planeamento e criatividade.

ou

“Se o sistema está lhe dando muito trabalho, você ainda não pensou o suficiente”

Scott Pittman

O homem está longe de aproveitar plenamente os seus dons criativos. No planeamento de uma propriedade, reflexão e observação podem mostrar soluções engenhosas para os problemas, evitando gastos e trabalho. Podemos aproveitar ao máximo a força da gravidade, por exemplo, para a distribuição da água, colocando áreas de captação no alto da propriedade em vez de colocá-las, como muitos fazem nas baixas, e depois depender de bombas, Ou podemos observar que os animais de modo geral depositam mais esterco de noite do que de dia. O gado pode pastar nas áreas ricas das baixadas durante o dia e dormir em estábulos no alto da propriedade, retransportando assim os nutriente para o alto da propriedade, de onde, com a ajuda da força da gravidade, a distribuição se torna mais fácil.

Precisamos ter a coragem de criar soluções totalmente diferentes dos vizinhos. E precisamos perceber que nenhum sistema é perfeito: sempre tem espaço para mais um elemento, para mais uma função, muitas vezes simplesmente conectando dois elementos já existentes. O limite do sistema é a nossa criatividade.

O problema é a solução

Problemas apontam situações especiais que podem ter uma função única. Se uma área é árida, por exemplo, pode-se especializar em plantas da família dos cactos, como o Figo da Índia ou a cochonilha, um insecto que produz uma tinta valiosa e que se desenvolve no cactos Opuntia. Se uma encosta é pedregosa, ela pode oferecer condições especiais para certas plantas que não de adaptariam em outra áreas mais férteis da propriedade. Se as lavouras sofrem ataques de caracóis, sinal que esta região se presta para a criação destes. Todo problema aponta para uma oportunidade. É questão de enfoque.

A diversificação garante a estabilidade

A estabilidade de uma propriedade ou de uma comunidade depende da disponibilidade de uma gama de produtos espalhados ao longo do ano. Isto protege contra desastres climáticos, porque no caso de qualquer emergência (seca, tempestade), alguns dos produtos vão escapar, devido a uma resistência maior, ou devido ao fato de crescer em épocas diferentes. Deve-se sempre cogitar culturas de emergência, garantidas de dar alguma produção mesmo sob condições adversas. Os povos antigos fazem policulturas por este motivo. Policulturas que incorporam árvores no sistema são as mais estáveis do todas. Uma floresta produtiva dificilmente se abate com a seca ou com o granizo.

A estabilidade vem quando se fecham os ciclos

Quando uma parte do sistema sustenta outra, evita-se a necessidade de procurar insumos fora da propriedade, fortalecendo assim todo o sistema. Da mesma maneira, uma comunidade inteira ganha estabilidade quando os produtos circulam localmente, evitando assim perdas por desperdício ou sangria para uma metrópole central. Considerando, por exemplo, que um terão dos produtos agrícolas no Brasil se perdem antes de chegar à mesa do consumidor, podemos ver a importância do consumo local, que assegura que o que se produz não se perde no processo de transporte e distribuição.

Da mesma maneira, se numa comunidade o mesmo dinheiro troca de mãos muitas vezes, isto tem o mesmo efeito de ter uma quantidade muito maior de dinheiro disponível. Se este dinheiro vai embora para o centro urbano, a comunidade local se empobrece.

Um dos maiores perigos para a estabilidade de uma propriedade rural ou de uma comunidade¸ a poluição. A vida não se mantém onde não há água limpa, por exemplo. Visto que a poluição provém de produtos ainda não utilizados, podemos vê-la como uma fonte de renda em potencial quando se trata de esgotos, ou mesmo de sub-produtos industriais. Os agro-tóxicos obviamente nunca oferecem um potencial para reciclagem (e deveriam ser banidos da face do planeta).

Precisamos responsabilizar-nos pelos nossos netos

Tivemos o privilégio de poder ainda desfrutar de florestas, de beber água limpa , de contemplar paisagens belas. Os nossos netos também têm este direito, e cabe a nós a responsabilidade de assegurar que estes direitos sejam respeitados. Isto pode sugerir muitas frentes de acção: conservação de áreas naturais ainda pouco modificadas pelo homem; desenvolvimento de uma forma de agricultura não devastadora; protecção das águas, especialmente do lençol freático. (Um rio pode-se limpar em poucos anos. Um lençol freático, uma vez poluído, dificilmente se limpa de novo). Em termos práticos, uma floresta desmatada leva entre doze a vinte anos para se recompor, e leva entre sessenta e duzentos anos para chegar a um estágio parecido ao original. Se colhermos somente as árvores no final do seus ciclos e plantarmos culturas adaptadas a estas condições de mata, podemos manter a cobertura vegetal e mesmo assim ter uma boa renda. Cada tipo de árvore tem as suas utilidades. Hoje, nos desmatamentos, a grande massa de madeira (com excepção das árvores mais conhecidas como o mogno) é desperdiçada.

Um agricultor pode muito bem plantar uma parte de sua propriedade com madeiras nobres, criando assim um património inabalável. Não importa se estas madeiras começarem a dar uma colheita daqui a vinte ou trinta anos: o agricultor, nesta época, já vai estar velho e as árvores podem garantir sua velhice, uma forma de aposentadoria particular. E como se pode colher as madeiras gradativamente, replantando ao mesmo tempo que colhe, ele cria um património para muitas gerações futuras.

Os problemas são basicamente domésticos e podem ser resolvidos no nível doméstico

Não há soluções em grande escala para problemas locais. Não há soluções tecnológicas para problemas que são basicamente sociais. Cada vez que uma família consegue se auto-sustentar, produzindo os seus próprios alimentos e reciclando os seus dejectos, esta deixa de participar da agricultura devastadora e deixa de poluir. Cada propriedade, mesmo bem pequena, pode captar água e produzir alimentos. As possibilidades são infinitas: podemos usar toda parede e até telhados das construções para produzir alimentos. Podemos captar água numa variedade de maneiras e reciclar toda água que utilizamos, fazendo-a render muito mais. Tomando como exemplo a perigosa falta de água potável: poucas pessoas se dão conta de que a descarga doméstica gasta 40% de toda a água consumida. Isto representa 100 litros de água por pessoa por dia! Pode-se imaginar a gravidade desta situação numa cidade de milhares ou milhões de pessoas. Podemos dar descarga com a água servida das pias ou do chuveiro, evitando assim este desperdício desastroso para toda a humanidade. Em áreas mais suburbanas ou rurais, podemos desenvolver privadas secas, das quais existem muitos modelos eficazes hoje. Lembrando que os esgotos são também grandes factores de poluição de lagos, de rios e do mar, vemos a importância do tratamento doméstico dos efluentes através de filtros ou de sistemas com plantas. Uma aldeia (ou bairro) de 300 pessoas tem a capacidade humana de preencher todas as necessidades das pessoas do lugar. Mesmo numa situação urbana, pode-se aproveitar os espaços baldios para produzir alimentos e pequenos animais. Cada vez que isto ocorre, economiza-se petróleo e espaços naturais que hoje estão sendo desmatados para produzir alimentos em grande escala. Plantações pequenas e intensivas são muito mais produtivas em qualquer lugar do mundo. O pavor de falta de terras agrícolas é um mito: toda terra pode ser agrícola! O que se chama “agrícola” hoje são aquelas onde pode-se entrar com máquinas pesadas, comprovadamente destruidoras da estrutura do solo. De fato, as terras mais “agrícolas”, em termos de produção, são aquelas frente à porta da cozinha! (é claro que o grande problema é o fato da agricultura se industrializar e ser vista como produtora de dinheiro. Isto levanta grandes problemas práticos, já que se destrói para ganhar a curto tempo. Isto vai acabar de fato somente quando houver ou uma pressão pública em massa ou quando tais sistemas não forem mais viáveis economicamente. Há sinais de que os dois processo estão acontecendo. O aumento de custos em petróleo e agro-tóxicos faz com que a agricultura intensiva e orgânica hoje se torne muito mais lucrativa. Se os problemas são basicamente domésticos e podem ser resolvidos a nível doméstico, isto implica que nós podemos resolver os nossos problemas, não precisando de algum engenheiro ou outro especialista, ou o governo, etc. para dar as soluções. O poder da acção volta para as mãos do indivíduo, da família, ou da comunidade local.

Todo sistema deve produzir mais energia do que consome

Quando falamos em “energia”, podemos pensar em calorias. Vários levantamentos tem mostrado que a agricultura industrializada é, em muitos casos, deficitária energeticamente: para cada caloria de alimento produzida, gastam-se duas a oito (ou mais!) calorias na forma de petróleo (transporte, insumos, máquinas agrícolas, etc.). Qualquer sistema deficitário, que seja em termos monetários ou energéticos, é fadado a falir, cedo ou tarde. Os sistemas permaculturais se tornam produtores energéticos de várias maneiras:

a) Produção intensiva em relação ao trabalho. Sistemas permanentes exigem poucas ou nenhuma máquina e pouco ou nenhum insumo, consumindo menos calorias do que produzem;

b) Produção para consumo local. Evitam-se assim gastos em transporte;

c) Utilização das energias do lugar (gravidade, transporte animal, sol, vento, etc.);

d) Reciclagem dos dejectos. Os fertilizantes industrializados são produzidos a partir do petróleo e exigem muitos gastos em transporte. Quando os insumos são produzidos localmente, evitam-se todos estes gastos;

e) Utilizando energias alternativas captadas no lugar: cozinhado com fogões solares e a lenha, biogás, painéis solares, etc.

Visa-se cooperação em vez de competição, integração em vez de fragmentação


O espírito de cooperação é a grande chave para a recuperação da qualidade de vida no planeta. Vista em termos sociais, a cooperação nos leva a ver todo estranho como amigo em potencial, enquanto a competição nos ensina a ver todo estranho com adversário em potencial. Esta mudança de atitude traz mudanças de comportamento fundamentais. Na cooperação, a energia é gasta de uma maneira mais construtiva, somando a energia de uns com os outros, em vez de se anularem mutuamente, como é o caso da competição. Na agricultura, esta mudança de atitude também transforma o comportamento. Se uma praga ataca a lavoura, um agricultor que se baseia em cooperação com a natureza procurará compreender o porque deste ataque. A planta está enfraquecida? O insecto está com fome por falta de um posto natural? Chega-se até a plantar alimentos para o insecto considerado ‘praga’, reconhecendo que este, como todo ser natural, merece viver. Este convívio pacífico com a natureza faz com que o agricultor não precise mais declarar guerra química na sua propriedade, produzindo assim alimentos de qualidade e limpos, sem comprometer a qualidade da água nem do solo. A cooperação nos leva a ver tudo como sendo interligado. Não é: “eu contra você”, mas “eu junto com você”. Não é: eu contra a praga, mas eu trabalhando em conjunto com a natureza, dentro de um contexto. Desaparece o sentido da fragmentação, de ver um mundo como formado de peças separadas, passando a ver o mundo como um todo integrado, onde mudanças em um elemento dentro do sistema (agrícola ou social), modifica a situação de muitos outros elementos que estão interligados com este. Isto é o que transforma o sistema todo.

(texto adaptado do Instituto de Permacultura da Bahia)

A permacultura não é apenas uma técnica ou muito menos um pacote. É muito mais complexo que uma simples agricultura sem agro-tóxicos, mais complexo que uma agricultura ecológica, ou sustentável, ou biodinâmica. É uma forma de viver que pode ou não envolver essas e outras técnicas. Ao mesmo tempo é muito mais simples por ser a conduta natural das coisas. Necessita apenas de uma observação sem máscaras, da natureza, sem pressa e com atenção. Sem preconceitos.

Texto adaptado de : http://www.cca.ufsc.br/permacultura/


BIOENERGÉTICA







em Onda de Vida
Loading...